REVOLUÇÃO NOS PACOTES

Nos tempos em que a parolice imperava na rêdea solta do novo-riquismo, havia uma frase típica de tal mentalidade. Algo moderno era: «Estilo design». Não significava nada, porque o design é a adequação de uma forma à sua função e possui enorme impacto na nossa vida, repleta de objectos.

Há bom e mau design, conforme as formas que utilizamos se adequem ao seu funcionamento. Por exemplo: havia um serviço de café, cujo designer, a armar ao vanguardista, desenhou as chávenas de tal modo estreitas na base e largas em cima que quando as enchíamos caíam para o lado. Uma anedota saída de prestigiada fábrica.

A comercialização do leite em pacotes foi sempre, para mim, um mistério no que toca à sua abertura. Num canto dizia: «Abertura fácil». Tentei tudo à mão e com faca para os abrir no tal sítio. Jamais consegui. Acabava por lhes fazer um buraco tesourando-os no ângulo e depois era certo um esguicho inicial. Devo ter, ao longo dos anos, esguichado litros, na miragem da abertura fácil. O designer que inventou aquilo devia ser detido pelos danos causados à Humanidade.

Pois assistimos a verdadeira revolução. Finalmente as grandes empresas do ramo descobriram a aldrabice e a dificuldade da abertura dos pacotes do nosso descontentamento. E lançaram no mercado uma embalagem com rolha de parafuso que é uma delícia útil e funcional. Um mimo. Reconheçamos: tantos anos para perceber o que é abertura fácil, é demasiado. Ou o mercado é pouco inteligente ou estava interessado nos esguichos, que aumentavam o consumo. Hurrah!, pois, pela revolução na abertura dos pacotes do leite.

©helderpacheco2019

Anúncios

~ por Helder Pacheco em 2019-02-15.